img:Bitcoin
Bitcoin - BTC
€ 0.431450240592 -3.94%
img:Ethereum
Ethereum - ETH
€ 0.415999762179 -3.14%
img:Chiliz
Chiliz - CHZ
€ 62.895,00 -2.11%
img:XRP
XRP - XRP
€ 3.547,21 1.94%
img:Shiba Inu
Shiba Inu - SHIB
€ 2,27 -3.4%
img:USD Coin
USD Coin - USDC
€ 0.931360398438 0.25%
img:Cardano
Cardano - ADA
€ 0.1081794 -4.13%
img:ApeCoin
ApeCoin - APE
€ 0.48963987516 0.03%
img:Solana
Solana - SOL
€ 1,17 -1.11%
img:MANA (Decentraland)
MANA (Decentraland) - MANA
€ 164,19 -0.74%
img:Bitcoin
Bitcoin - BTC
€ 0.431450240592 -3.94%
img:Ethereum
Ethereum - ETH
€ 0.415999762179 -3.14%
img:Chiliz
Chiliz - CHZ
€ 62.895,00 -2.11%
img:XRP
XRP - XRP
€ 3.547,21 1.94%
img:Shiba Inu
Shiba Inu - SHIB
€ 2,27 -3.4%
img:USD Coin
USD Coin - USDC
€ 0.931360398438 0.25%
img:Cardano
Cardano - ADA
€ 0.1081794 -4.13%
img:ApeCoin
ApeCoin - APE
€ 0.48963987516 0.03%
img:Solana
Solana - SOL
€ 1,17 -1.11%
img:MANA (Decentraland)
MANA (Decentraland) - MANA
€ 164,19 -0.74%
Mercado Bitcoin
Mercado Bitcoin
a- A+

Na segunda década do século passado, durante as reuniões secretas que prepararam a criação da Reserva Federal norte-americana, o banco central dos EUA, é atribuída ao grande empresário da indústria automóvel, Henry Ford, a seguinte citação: “É óptimo que as pessoas não entendam o nosso sistema bancário e monetário, pois se o entendessem, acredito que haveria uma revolução antes de amanhã de manhã.

Aqueles que compreendem o nosso sistema financeiro têm perfeitamente a noção do poder que advém do mesmo. Um dos membros de uma das mais importantes famílias de banqueiros, Mayer Amschel Bauer Rothschild, tinha a perfeita noção de tal poder, ao ter ficado para a história com a seguinte frase: “Dê-me o controle do dinheiro de uma nação e não me importo com quem faz as leis”. Talvez a frase que melhor ilustra a actual situação que vivemos.

Efectivamente, a grande maioria da população não compreende como funciona o nosso sistema bancário. Se soubesse que a emissão de dinheiro é realizada pela emissão de dívida, onde não ocorre a produção de qualquer bem ou serviço, talvez uma revolta tivesse lugar, tal como afirmava Hery Ford. Mas como, perguntará o leitor? Emissão de dívida para produzir dinheiro!

Vamos supor um banco comercial a quem é solicitado um crédito habitação no valor de 200 mil euros. O que acontece? O banco diz que a conta à ordem do cliente foi creditada nesse valor e, ao mesmo tempo, regista uma dívida do cliente ao banco no mesmo montante; seguidamente, o cliente passa um cheque ou realiza uma transferência – regra geral, uma operação realizada pelo banco no momento da escritura – a favor do vendedor do imóvel. Simples! Sim, simples, sem entregar nada à sociedade. Para realizar tal magia, basta uma licença bancária atribuída pelo banco central para se passar a produzir nova moeda do “ar”.

O mesmo acontece com o banco central, a fonte de toda a emissão da nova massa monetária. A título de exemplo, podemos utilizar uma emissão de dívida por parte de um estado europeu. Vamos supor que o estado português deseja incrementar a sua dívida pública em mil milhões de Euros, através da emissão de novas obrigações do tesouro.

Para tal, anuncia um leilão a realizar numa dada data, em que apenas podem participar os bancos comerciais para o efeito (Primary Dealer). Para realizar as suas propostas, solicitam uma linha de crédito ao banco central. Como? A conta do banco comercial junto do banco central é creditada e, ao mesmo tempo, este regista uma dívida do banco comercial ao banco central. Simples, não é? Um verdadeiro truque de prestidigitação.

Seguidamente, o estado português vê a sua conta creditada em mil milhões de Euros e entrega títulos de dívida – obrigações do tesouro – aos bancos comerciais. Para eliminar a sua dívida junto do banco central, os bancos comerciais vendem estas obrigações no mercado secundário ao banco central, obviamente acima do preço que pagaram por elas no leilão original, eliminando a sua dívida e retendo os respectivos lucros. Ocorreu alguma produção? Não caro leitor, apenas engenharia financeira, onde o controlo da produção de dinheiro permite gerar dinheiro a favor de um cartel bancário.

Como os bancos centrais decidiram realizar planos de estímulos à economia sem fim – na verdade simples impressão massiva de dinheiro do “ar” -, os governos viram as suas agendas tremendamente facilitadas: comprar votos através da atribuição de empregos públicos e distribuir prebendas e subsídios com dinheiro impresso do “ar”, fica tremendamente facilitado.

Desta forma, não nos pode espantar o crescimento da dívida pública. Para imprimir dinheiro de forma massiva é necessário que existam obrigações do tesouro disponíveis no mercado por forma a que o banco central possa imprimir dinheiro do “ar” e adquiri-las; em conclusão: o sistema bancário actual cria moeda a partir de dívida.

Neste contexto, não nos pode espantar o crescimento imparável da dívida pública norte-americana nas duas últimas décadas, tal como podemos observar na Figura 1. Independentemente da cor ou ideologia da administração, a dívida pública tem duplicado a cada dois mandatos; tendo em conta esta tendência, a dívida pública norte-americana daqui a três/quatros anos estará em 40 biliões de USD (12 zeros, atenção!).

Figura 1

Para suportar tais incrementos de dívida pública, apenas o banco central pode adquirir tais volumes de obrigações emitidas pelo tesouro norte-americano, emitindo, para esse efeito, dinheiro do “ar” em quantidades nunca vistas. Em 2020, tal como podemos constatar na Figura 1, a dívida pública subiu 4 biliões, cerca de 20% do PIB norte-americano; em 2021, o ritmo abrandou, mas mesmo assim irá representar aproximadamente 8% do PIB norte-americano (o PIB norte-americano situa-se em 23 biliões de USD), apesar de tudo um enorme défice fiscal.

Até 2020, a inflação – o aumento de massa monetária -, apenas se tinha reflectido nos valores mobiliários – dívida pública, dívida de empresas, acções de empresas -, em particular aqueles que estão cotados em bolsas norte-americanas; no entanto, a partir de 2020, começámos a assistir a uma assinalável subida do custo de vida, por mais que as autoridades nos digam o contrário.

Na Figura 2, podemos observar a subida que está a ocorrer na maioria das matérias-primas que dependemos para viver: o café sobe 54%, o Petróleo 42%, a Aveia 37%, entre outras subidas muito acima daquilo que nos dizem ser a inflação oficial. Por outro lado, o imobiliário e as rendas da habitação continuam a subir, não porque as casas valham mais, mas pelo dinheiro precisamente valer menos!

Figura 2

O leitor perguntará: mas eles podem imprimir dinheiro, retirando-lhe valor e gerando inflação com total impunidade? Sim, ao contrário de mim e do leitor. Se fizéssemos o mesmo, isto é, imprimir dinheiro do “ar”, o nosso destino seria seguramente o presídio, tal como estabelece o artigo 262.º, com o título “Contrafacção de moeda”, do Código Penal português: “Quem praticar contrafacção de moeda, com intenção de a pôr em circulação como legítima, é punido com pena de prisão de três a doze anos.

A frase de Mayer Amschel Bauer Rothschild faz agora todo o sentido: para uns, a impunidade, os detentores das licenças bancárias e que não se molestam com as leis, para outros, o severo castigo por fazerem exactamente o mesmo.

Como mantêm a aceitação do sistema pelo grande público? Utilizam os argumentos do bem: estimular a economia, suportar a economia, acelerar o crescimento económico, proporcionar tempo aos governos para implementar reformas estruturais, ajudar a combater as alterações climáticas – vá-se lá saber como uma impressora de dinheiro resolve questões climáticas -, ou mesmo ajudar a superar a crise pandémica! Repare: é tudo pelo seu bem, não é para ajudar governos falidos, nem para torná-los crescentemente dependentes de uma elite financeira. Nada disso!

O que é evidente é que os bancos centrais irão destruir o dinheiro, depois de já terem tentado tudo para manter à tona o enorme esquema em pirâmide que constitui o actual sistema financeiro. Como irão proceder a partir daqui? Vão imprimir até ao infinito, o que for preciso para manter estados de mão estendida, à espera da próxima esmola, enquanto o dinheiro que temos no bolso vale cada vez menos. Seguidamente, irão impor-nos a sua moeda digital, eliminar o dinheiro físico e tentar estabelecer um monopólio absoluto para a sua moeda digital, algo que sempre desfrutaram e que não gostam de perder.

Esta é a principal razão para a fuga da maioria das pessoas para as criptomoedas, em particular para a sua criptomoeda mais conhecida: a Bitcoin. Porquê? Cada vez mais, estes são os activos que irão proteger as pessoas da inflação massiva que se avizinha. Os bancos centrais não irão parar até à completa destruição do dinheiro, pois a inflação é a única forma de aliviar os custos da dívida monstruosa dos governos, que estão totalmente dependentes e manietados pelos bancos centrais: os verdadeiros donos disto tudo.

No presente contexto, a inflação não é o único perigo, as criptomoedas serão talvez o único património que goza de total privacidade, ao contrário das casas, dos carros, das acções, das obrigações, dos metais preciosos…a lista é interminável; não imaginamos as informações que hoje os estados possuem acerca de qualquer cidadão. Desta forma, este património será sempre difícil de tributar no âmbito de um imposto sobre o património, ao contrário das criptomoedas.

Na próxima crise, após a completa destruição do dinheiro, aqueles que se protegeram serão aqueles que irão nadar e chegar até à costa em segurança: os que agora decidiram proteger-se com criptomoedas.

 

Descubra mais sobre a Criptoloja e moedas digitais:

Destaques Autor
img:Mercado Bitcoin

Mercado Bitcoin