img:Bitcoin
Bitcoin - BTC
€ 61.586,99 1.66%
img:Ethereum
Ethereum - ETH
€ 2.945,88 1.84%
img:Chiliz
Chiliz - CHZ
€ 0.109383506106 6.83%
img:XRP
XRP - XRP
€ 0.495042499803 4.42%
img:Shiba Inu
Shiba Inu - SHIB
€ 2,34 7.7%
img:USD Coin
USD Coin - USDC
€ 0.946575 0.18%
img:Cardano
Cardano - ADA
€ 0.46878 5.57%
img:ApeCoin
ApeCoin - APE
€ 1,13 -6.32%
img:Solana
Solana - SOL
€ 140,99 2.32%
img:MANA (Decentraland)
MANA (Decentraland) - MANA
€ 0.43697508 5.52%
img:Bitcoin
Bitcoin - BTC
€ 61.586,99 1.66%
img:Ethereum
Ethereum - ETH
€ 2.945,88 1.84%
img:Chiliz
Chiliz - CHZ
€ 0.109383506106 6.83%
img:XRP
XRP - XRP
€ 0.495042499803 4.42%
img:Shiba Inu
Shiba Inu - SHIB
€ 2,34 7.7%
img:USD Coin
USD Coin - USDC
€ 0.946575 0.18%
img:Cardano
Cardano - ADA
€ 0.46878 5.57%
img:ApeCoin
ApeCoin - APE
€ 1,13 -6.32%
img:Solana
Solana - SOL
€ 140,99 2.32%
img:MANA (Decentraland)
MANA (Decentraland) - MANA
€ 0.43697508 5.52%
Henrique Agostinho
Henrique Agostinho
a- A+

Volta e meia, uns economistas de TV repetem a ameaça dos governos criarem as suas próprias criptomoedas, chamadas CBDC, Central Bank Digital Currency. Apesar de ser raro que economistas repitam alguma coisa com nexo, não deixa de ser verdade que os CBDCs são uma ameaça, severa. Só que é mais perigosa para os governos do que para o Bitcoin.

O perigo de criar uma CBDC é tão grave para os governos, que o mais provável que semelhante projecto nunca chegue a ver a luz do dia e continue apenas como uma boa oportunidade para consultores faturarem. Naturalmente que, para entender isto, é preciso primeiro saber o que é isso dos CBDC.

Antes de mais, note-se que CBDC é um péssimo nome. Todas as moedas governamentais já são literalmente CBDCs. A saber, são moedas, emitidas por bancos centrais em 99,99% formato digital. Aquele Cartão de Débito que tem na sua carteira é nada mais nada menos do que um Wallet para assinar transações com a moeda-digital do País onde vive. Nem que seja pelo nome, o projecto já nasce equivocado.

Ignorando o nome, diz-se por aí que vão fazer uma criptomoeda, de iniciativa estatal, para concorrer com o Bitcoin e adicionar à atividade humanitária do governo uma série de funcionalidades controladoras. Segundo essa teoria, os senhores querem inventar uma, vá-lá, CBCC, de Critpomoeda do Banco Central. Mas, se atentarmos no que diferencia uma criptomoeda (das boas) de uma vulgar moeda fiat digital, veremos que é o governo quem mais fica a perder com a troca. A saber:

Descentralizada – Uma das características que diferencia o Bitcoin das moedas fiduciárias (os Euros e os Dólares) é ser descentralizado. Não tem ninguém a mandar e as regras só podem ser alteradas após um consenso generalizado, praticamente unânime, de todos os utilizadores. Ora, é preciso ser inocente para achar que o governo vai querer uma coisa dessas, uma CBDC, cuja política monetária não é alinhavada nas reuniões em Davos, mas de forma consensual e transparente.

Rastreável – Todas as operações com Bitcoin são rastreáveis, transparentes, públicas. Isto quer dizer que ninguém pode gastar moedas que não tem e as transações são irreversíveis. Ora, se não pudessem gastar dinheiro que não têm e desfazer operações embaraçosas sem deixar rastro, como é que o BES iria emprestadar, a empresários da bola falidos, milhares de milhões de euros garantidos pelo Estado?

Acessível – Qualquer pessoa pode descarregar uma wallet e guardar as suas criptomoedas, sem precisar de intermediários. Basta um telemóvel com ligação à internet. Não há barreiras ao acesso às criptomoedas. Ora, se o Banco Central emite uma CBDC, o que é que ficam os bancos a fazer, sem o seu valioso papel de intermediário de pegar dinheiro a 0% de juros e ir emprestar aos seus conhecidos?

Sim, uma CBDC permite ao Estado agilizar alguns truques, como tirar dinheiro da conta de quem se porta mal, não toma as picas, ou faz like em fakenews. Mas isso não é algo que os anime. Por um lado, porque já podem fazer isso, já têm o poder de mandar os bancos congelar os bens de quem quer que se atravesse no caminho. Por outro lado, porque aí, lá se ia à vida mais uma das utilidades aparentes dos bancos comerciais.

É que, se repararmos bem, todas as coisas que as putativas CBDC fazem é tirar os bancos comerciais do negócio das políticas monetárias do Banco Central. Com uma CBDC, o Estado pode dar e tirar dinheiro a quem quiser, sem passar pelos bancos ao mesmo tempo que os bancos deixam de poder embaralhar as contas e tapar buracos com dívidas garantidas pelo contribuinte. E o que ficariam os bancos a fazer? Nada, a nadar nos seus biliões de crédito mal parado, excluídos do cartel sobre o dinheiro criado do nada.

Ora aí está. No papel, o CBDC até pode parecer uma coisa aproveitável, mas iria arrebentar com os bancos comerciais, todos não sobrava um, forçando um festival de bailouts, até as crises de 2008-2014 serem uns meros trocos. Não é de esperar que os banqueiros deixem isso acontecer, assim sem espernear.

Em resumo: O CBDC é na prática uma ameaça aos bancos comerciais, pois retiraria-lhes toda a sua razão de existir, que é fazerem de intermediário entre o Banco Central e o Governo. E como bem sabemos, os banqueiros e políticos nunca andam muito longe uns dos outros, para o caso de ser preciso tapar algum buraco. Pelo que, é provável que ainda venham a falar do assunto com mais cuidado e colocar alguma água na fervura.

Destaques Autor
img:Henrique Agostinho

Henrique Agostinho